Clima

Planeta tem recorde de calor pelo nono mês seguido

O último mês que não estabeleceu um recorde mensal de alta temperatura foi maio de 2023

07/03/2024 14:38
Planeta tem recorde de calor pelo nono mês seguido

Pelo nono mês consecutivo, o planeta estabeleceu novos recordes de calor. Em fevereiro, o inverno do hemisfério norte como um todo e os oceanos bateram recordes de altas temperaturas, de acordo com a agência climática da União Europeia, Copernicus.

O episódio histórico mais recente dessa onda de calor impulsionada pelas mudanças climáticas inclui temperaturas da superfície do mar que não foram apenas as mais altas do mês de fevereiro, mas eclipsaram qualquer mês registrado, superando o recorde estabelecido em agosto de 2023, e o termômetro ainda estava subindo no final do mês.

Além disso, fevereiro, assim como os dois meses de inverno (do hemisfério norte) anteriores, excedeu o limite de aquecimento de longo prazo estabelecido pela comunidade internacional, informou o Copernicus na quarta-feira.

O último mês que não estabeleceu um recorde mensal de alta temperatura foi maio de 2023, que ficou em terceiro lugar, atrás de 2020 e 2016. Os recordes do Copernicus têm sido derrubados sucessivamente desde junho.

A média de fevereiro de 2024 foi de 13,54 graus Celsius (56,37 Fahrenheit), quebrando a marca anterior de 2016 em um oitavo de grau. A temperatura do mês passado foi 1,77 Celsius (3,19 Fahrenheit) acima da temperatura registrada no final do século 19, de acordo com os cálculos do Copernicus. Somente dezembro teve uma margem maior do que fevereiro acima dos níveis pré-industriais em um mês.

No Acordo Climático de Paris de 2015, o mundo estabeleceu a meta de tentar conter o aquecimento a um máximo de 1,5 grau Celsius (2,7 Fahrenheit) em comparação com a época pré-industrial.

Os números do Copernicus são mensais e uma métrica diferente do limite estabelecido em Paris, que é a média de duas ou três décadas. Mas os dados do Copernicus revelam que os últimos oito meses, desde julho de 2023, ultrapassaram 1,5 Celsius de aquecimento.

Os climatologistas dizem que a maior parte do aquecimento recorde se deve à mudança climática causada pelo homem, composta de emissões de dióxido de carbono e metano provenientes da queima de carvão, petróleo e gás natural.

O calor adicional vem do fenômeno natural El Niño, um aquecimento do Pacífico central que altera os padrões climáticos globais.

"Dado o forte impacto do El Niño a partir de meados de 2023, não é surpreendente ver temperaturas globais acima do normal, já que o El Niño leva o calor do oceano para a atmosfera, elevando as temperaturas do ar. Mas a quantidade de recordes que foram quebrados é alarmante", disse a climatologista Jennifer Francis, do Woodwell Climate Research Center, que não participou dos cálculos.

"E também vemos o atual 'ponto quente' sobre o Ártico, onde as taxas de aquecimento são muito mais rápidas do que no mundo todo, desencadeando uma cascata de impactos sobre a pesca, os ecossistemas, o derretimento do gelo e a alteração dos padrões oceânicos atuais que têm efeitos generalizados e de longo prazo", acrescentou Francis.

As altas temperaturas recordes do oceano fora do Pacífico, onde o El Niño está concentrado, mostram que isso vai além do efeito natural, disse Francesca Guglielmo, climatologista sênior do Copernicus.

A temperatura da superfície do Atlântico Norte permaneceu em um nível recorde - em comparação com a data específica - todos os dias durante um ano inteiro desde 5 de março de 2023, "muitas vezes por margens que parecem impossíveis", de acordo com Brian McNoldy, cientista tropical da Universidade de Miami.

Essas outras áreas oceânicas "são um sintoma do calor aprisionado pelos gases de efeito estufa que se acumularam ao longo das décadas", disse Francis em um e-mail. "Esse calor agora está emergindo e elevando as temperaturas do ar a um território desconhecido."

"Essas temperaturas anormalmente altas são muito preocupantes", disse a climatologista Natalie Mahowald, da Universidade de Cornell. "Para evitar temperaturas ainda mais altas, precisamos agir rapidamente para reduzir as emissões de CO2."

Esse foi o inverno (do hemisfério norte) mais quente - dezembro, janeiro e fevereiro - em quase um quarto de grau, superando o recorde de 2016, um ano que também teve El Niño. O período de três meses é o mais alto em qualquer estação do ano acima dos níveis pré-industriais nos registros do Copernicus, que datam de 1940.

Francis disse que, em uma escala de um a 10 para avaliar a gravidade da situação, ele dá ao que está acontecendo agora "um 10, mas em breve precisaremos de uma nova escala, porque o que é um 10 hoje será um cinco no futuro, a menos que a sociedade possa parar o acúmulo de gases de efeito estufa".

Qual a previsão para os próximos meses?

O El Niño, fenômeno climático que tem influenciado o clima desde o ano passado, pode causar, em várias partes do planeta, como na Amazônia, no Mar do Caribe e no Alasca, temperaturas médias sem precedentes até junho de 2024. Isso é o que diz novo estudo publicado pela revista Scientific Reports no fim de fevereiro.

Assinado por pesquisadores chineses, o trabalho sugere que há probabilidade estimada de 90% de que ocorram temperaturas médias globais de superfície recordes durante o mesmo período em um cenário de El Niño moderado ou forte.

Os autores alertam que temperaturas médias recordes provavelmente desafiarão a capacidade atual das regiões de lidar com as consequências do excesso de calor. Além disso, as altas temperaturas podem aumentar consideravelmente a probabilidade de ocorrência de fenômenos climáticos extremos, como incêndios florestais, ciclones tropicais e ondas de calor.

Estadão Conteúdo (Com informações da Associated Press).

Mais matérias Polícia